Translate this Page


Total de visitas: 192669
Ministério Internacional Reinar em Cristo
Ministério Internacional Reinar em Cristo

Os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo.  Romanos 5:17

 

REGIMENTO INTERNO

CAPÍTULO I

DAS DOUTRINAS BÁSICAS

Artigo 1º – Como Doutrinas básicas e para profissão de fé e ensino, o Ministério Internacional Reinar em Cristo declara que:

DEUS – Cremos num DEUS ser sempiterno detentor de todos os atributos da divindade, tais como a Sabedoria, Onisciência, Onipresença, Onipotência, Santidade, Verdade, Amor, Criador e Conservador de tudo que há expressado por meio de três pessoas da mesma substância: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt. 6:4; Mt. 28:19).

A BÍBLIA - Confiamos ser a Bíblia a Palavra de Deus e, portanto, Sagrada, confiada a homens que a escreveram por intermédio da inspiração do Divino Espírito Santo, a qual expressa toda a verdade sobre Deus e o plano eterno para o resgate dos homens. (II Tim. 3:14-17).

JESUS - Estamos certos que Ele é o filho de Deus,(João 3:16),  foi gerado pelo Espírito Santo e concebido pela virgem Maria, e por isso possui também a natureza humana; foi crucificado e sepultado, ressuscitou de forma corpórea e visível ao terceiro dia e foi ascendido aos céus quarenta dias após sua ressurreição. (Lc. 1:31,35; Fp 2:6,7; Lc. 23:33,53, 24:6,15,51).

O HOMEM - Temos por verdade que todo homem é pecador por causa da herança de Adão e pelas suas próprias culpas e que não tem condições de justificar-se por seus próprios méritos diante de Deus, estando assim condenado ao sofrimento eterno. (Rom. 3:23; Ef. 2:8,9).

SALVAÇÃO - Acreditamos que todo homem pode ser salvo de seus pecados mediante a Graça, e justificado diante de Deus pelo favor Divino revelado nos Evangelhos, por intermédio da fé naquele que tomou sobre si a nossa condenação e a levou sobre si para o Calvário: a saber Jesus Cristo. (Rom. 5:1) 

BATISMO NAS ÁGUAS - Recebemos o Batismo nas águas como uma ordenança do Senhor Jesus feita aos que n’Ele creem e como uma forma de confissão pública da fé e arrependimento de pecados, sabendo que os mesmos não possuam poderes para salvar-se a si mesmo. (Mc. 16:16; Rom. 10:9).

BATISMO COM O ESPIRITO SANTO – cremo que é a capacidade sobrenatural que Deus dá ao homem a fim de que este possa realizar a Obra de Deus na terra, tendo como uma das evidências o falar em outras línguas, conforme a Sua vontade. (Atos 1:8; 2:4, 39; 8: 17, 18; 10:44-46)

SANTIFICAÇÃO - Temos como uma obra contínua e gradativa do Espírito Santo sobre a vida do crente que dá condições de viver desembaraçado do pecado e em comunhão com Deus. (João 16:13).

A IGREJA - Reconhecemos a Igreja Universal (entenda-se a igreja no Globo terrestre) como o corpo invisível de Cristo, a qual agrega todos os seus membros na igreja local, que é visível. Cremos que este corpo vive em comunhão, unido pelo elo universal do amor, fundamentado na pedra angular que é Jesus Cristo, incentivando-se mutuamente ao prosseguimento da carreira da fé. (I Pe. 2:4-8; Rom. 12:5).

DONS DO ESPIRITO SANTO – Cremos na operação dos dons do Espírito Santo visando o aprimoramento e edificação da Igreja, os quais manifestam-se segundo a determinação do Senhor da Igreja, Jesus Cristo. (I Cor. 12:4, 11).

DÍZIMOS E OFERTAS – Confiamos e entendemos ser os dízimos e as ofertas as formas de contribuições mais lógicas e coerentes com os ensinamentos bíblicos, para gerar a manutenção do Ministério Sacerdotal, da Igreja e do Templo. (Ml. 3:10; Mt. 23:23).

2ª VINDA DE CRISTO – Estamos certos que Cristo voltará de uma forma invisível ao mundo para arrebatar sua Igreja, por meio da ressurreição dos que agora dormem no Senhor e da transformação, em corpos glorificados, dos que estiverem vivos; depois virá de forma visível na Batalha de Armageddon, para guerrear contra Satanás e lançá-lo em cativeiro por 1.000 anos, e depois, estabelecerá um reinado terreno, pelo mesmo período de tempo e os salvos, com Ele reinarão. (I Ts. 4:13, 18)

TRIBUNAL DE CRISTO – Temos por verdade que depois do arrebatamento da Igreja os salvos receberão nos céus galardões em conformidade com o trabalho de cada um no Reino de Deus estabelecido na terra. (II Cor. 5:10; I Cor. 3:8).

CONDENAÇÃO DOS ÍMPIOS - Acreditamos que no final do período milenar todos os incrédulos de todos os tempos ressuscitarão para serem julgados e condenados por Deus à segunda morte, segundo as suas más obras praticadas.

ETERNIDADE - Reconhecemos a Eternidade como o destino final para todos os homens, a qual será dividida em duas formas distintas. Uma de gozo, prazer e paz para todos os que forem salvos pelo Cordeiro de Deus, e outra de tormentos, dor e espanto para todos os incrédulos de todos os Tempos. (Ap. 22:1-5; Mt. 24:51).

[ ... Artigo 2º ao 11º ...]

Artigo 12º – COMPORTAMENTO ÉTICO DA COMUNIDADE EM GERAL:

 Temos como posição deste Ministério:

1º – O ABORTO – Este Ministério crê que o Criador é o único que possui o direito de preservação ou não da vida, e que o homem não recebeu permissão de decidir em deixar alguém viver ou interromper sua vida, considerando que o feto é um ser vivo e a interrupção optativa e proposital de seu desenvolvimento caracteriza assassinato, este Ministério condena o aborto por não compactuar com assassinato. (Ex. 20:13).

2º – O TESTEMUNHO CRISTÃO EM MEIO DOS NEGÓCIOS – Este Ministério orienta seus obreiros e membros a manterem-se dentro de seus recursos financeiros, sendo prudentes em seus negócios, cumprindo suas obrigações sociais e de cidadania, demonstrando honestidade e integridade nos locais de convívio. (1 Ts 4:11-12; 2 Co 8:21).

3º - O RELACIONAMENTO COM MEMBROS DE OUTRAS DENOMINAÇÕES – Este Ministério recomenda aos seus obreiros e membros a manterem uma comunhão plena e total com os membros de outras denominações evangélicas que estejam em harmonia com as Doutrinas Bíblicas básicas concernentes à salvação pela graça por meio da fé em Jesus Cristo. (Mc. 9:50; I Jo. 1:7).

4º – O RELACIONAMENTO COM O PASTOR - Os obreiros e membros deste Ministério devem assumir um compromisso pessoal de obediência e respeito ao Pastor, considerando-o como responsável por suas almas, zelando pela preservação de seu nome e sua moral, defendendo-o das acusações e murmurações infundadas. E informar todas as suas ações que cabem ao seu Departamento antes de executá-las para o mesmo. (Hb. 13:17).

– É digno do mesmo respeito e consideração o corpo ministerial que esteja em harmonia com o Pastor Titular.

 O Artigo 13 º – DIVÓRCIO E O NOVO CASAMENTO:

Este Ministério aceita o divórcio na seguinte condição:

§1º – E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe. Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos. Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não está sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz. (1 Co 7:13-15). Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel. (1 Tm 5:8)

§ 2º – Este Ministério receberá em sua membresia pessoas com a situação conjugal irregular de acordo com o seguinte critério:

a) Quando uma pessoa converte-se a Jesus com sua situação conjugal irregular, este Ministério recebê-la-á com todo amor, sem nenhuma discriminação ou preconceito, por crer que tal pessoa não deve ser condenada pelas consequências de uma vida desregrada que antecedeu o novo nascimento, porém orientando a mesma a regularizar a situação matrimonial, perante as leis Divinas e as  Humanas.

Artigo 14º – CASAMENTO MISTO:

                Este Ministério, baseado nos princípios Bíblicos que apresentam o casamento como a comunhão total no corpo, exclusivamente entre um homem e uma mulher, recomenda aos seus ministros que não oficiem cerimônia de casamento misto ou entre pessoas do mesmo gênero.

– Entende-se por casamento misto a união de uma pessoa evangélica com outra que não professe a mesma fé, isto é, uma pessoa não evangélica.

– Este Ministério na pessoa de seus dirigentes, de acordo com os preceitos bíblicos e em respeito ao modelo tradicional de união familiar não realiza em suas dependências ou fora delas, casamento entre pessoas do mesmo gênero.

– Este Ministério respeita o princípio do livre arbítrio como direito individual de quaisquer de seus membros, porém considera o ato de desobediência daqueles que optarem pelo casamento misto e se reserva o direito de não o fazer. (Ex 34:15-16; Ed 9:2; 2Co 6:14-18).

[...Artigo 15º...]

Artigo 16º – USOS E COSTUMES:

                Este Ministério adota os seguintes princípios para orientarem seus membros no que diz respeito aos usos e costumes:

1º – VESTUÁRIO – Os membros do MIRC, homens ou mulheres, devem usar de moderação no vestir-se, evitando trajes sensuais e extravagantes. Entende-se por trajes sensuais e extravagantes aqueles que provoquem censura ou atentem ao pudor demarcando ou deixando transparecer partes íntimas do corpo.

2º – COMPORTAMENTO EM GERAL:

a) NA SOCIEDADE: Este Ministério recomenda aos seus membros que façam uso, em todo e qualquer lugar, de um linguajar sadio e honesto, evitando-se o uso de palavras torpes, maliciosas ou maldosas, bem como piadas pornográficas.

b) Este Ministério veda aos seus membros o tabagismo de qualquer espécie, o uso de drogas de qualquer espécie e a ingestão de bebidas alcoólicas de qualquer espécie e teor.

Artigo 17º – DISCIPLINAS:

 Observar-se-á os critérios Bíblicos disciplinares nos termos do estatuto em vigor.

1º – POR QUE DISCIPLINAR OS CRENTES – Primeiramente faz-se necessário entender o que é disciplina. Ela corresponde ao ensino, à instrução e à educação, visando o progresso e o crescimento para aquele que por ela é exercitado. A disciplina é dada pelo ensino da Palavra de Deus e também por medidas corretivas aplicadas àqueles que, após o conhecimento do que é coerente com as Escrituras Sagradas, insistem em caminhar no sentido oposto. Em ambos os casos a disciplina deve ser ministrada com mansidão, brandura e amor, nunca com espírito de superioridade e de farisaísmo. Quando todas as formas de disciplina corretivas forem aplicadas e o irmão faltoso permanecer em sua ofensa, deverá ser aplicada a exclusão, na esperança de que venha a dar sensibilidade ao infrator, dando-lhe ocasião de arrependimento. ( Pv. 6:23; 12:1; 15:32; 2Tm 2:24-26)

2º – COMO APLICAR A DISCIPLINA – O comportamento faltoso poderá ser comprovado através de prova documental do fato ou por testemunho de pessoas idôneas. Os Obreiros e Líderes que cometerem faltas que os incompatibilizem com o MIRC, ficam automaticamente suspensos de suas atividades. A Comissão de Ética Do MIRC deverá analisar o fato à luz da Bíblia. (Dt 8:5; Pv 13:24; 2Tm 2:24-26)

[Artigo 18º]

Artigo 19º – USO DO TEMPLO:  Quanto ao uso do Templo, observar-se-á as normas no sentido de sua preservação como “Casa de Deus”; não poderá ter outras finalidades senão aquelas descritas na Palavra de Deus.

1º – VELÓRIOS: Este Ministério concede exclusivamente aos membros o direito de, quando falecerem, serem velados no Templo, se assim for solicitado. Caso a família disponha de outro lugar mais apropriado deve ser dispensada a utilização do Templo.

2º – CASAMENTOS: Este Ministério adota a seguinte posição em relação ao uso do Templo para a realização de Cerimônias Matrimoniais:

a) Quando os nubentes forem membros do MIRC, em perfeita e plena comunhão, terão o direito de realizarem a Cerimônia Nupcial no Templo em data pré-combinada em acordo com o Pastor;

b) Quando um dos nubentes for descrente aplica-se o disposto no Artigo 16 e seus parágrafos, deste Regimento Interno;

c) Quando os nubentes forem crentes de outras Denominações evangélicas a decisão caberá a Diretoria do Ministério local.

3º – EVENTOS SOCIAIS: Será permitido o uso do Ministério com critério, recomendando-se que haja zelo no uso do Templo e os eventos ou atividades sirvam aos propósitos do MIRC.

4º Realizar Cursos que que dê oportunidade de crescimento em áreas profissionais e pessoais para os membros e comunidade, se for aos domingos deverá ser pela manhã.

Artigo 20º  – RITUAIS DA IGREJA:

           No que diz respeito aos rituais do Ministério, serão adotados àqueles que engrandecem o nome de nosso Deus.

1º – O CULTO: Este Ministério entende que no ato do Culto a Deus deve ser permitida a presença de qualquer pessoa, independentemente de sexo, posição social, raça, idade, religião, etc., não se fazendo nenhum tipo de acepção. Os Cultos devem ser celebrados sob a orientação do Espírito Santo, sendo que os responsáveis pela sua direção deverão ser pessoas sensíveis ao Senhor. Os louvores no Culto poderão ser acompanhados com palmas e por instrumentos musicais diversos. (Tg 2:1; 2Co 3:17; Sl 47:1; 33: 2-3).

2º – AS ORDENANÇAS E CERIMÔNIAS: Este Ministério adota como prática as seguintes ordenanças e cerimônias:

a) BATISMO: Batismo por imersão nas águas, celebrado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ministrado a pessoas convertidas a Jesus Cristo, com idade que tenha entendimento de quem é Deus e Jesus Cristo. (Mt 28:19)

b) A CEIA DO SENHOR: É ministrada a todos as pessoas que confessaram a Jesus Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas. O celebrante será auxiliado pelo quadro de Obreiros na distribuição do pão e do vinho que representam o corpo e o sangue do Senhor. (1 Cor. 11:23-24).

c) A APRESENTAÇÃO DE CRIANÇAS: Será feita mediante a oração do Pastor ou Oficial colocando a criança diante de Deus, a fim de que Ele cuide e use-a de acordo com a sua vontade. O Ministrante assume o compromisso de antes de apresentar a criança orientar os pais sobre a necessidade de zelar pela educação espiritual de seus filhos. (Lc 2:22-23, Pv 22:6)

d) CASAMENTO: Deverá ser realizado por um Pastor ou Oficial autorizado, mediante a situação civil dos noivos devidamente regularizada e de acordo com os princípios já estabelecidos neste Regimento. (Hb 13:4)

e) OFÍCIO FÚNEBRE: Os membros do MIRC que dormirem no Senhor poderão ter seus corpos velados em conformidade com orientação já exposta neste Regimento. O Ministro que realizar a Cerimônia deverá fazê-la em tom solene com leitura Bíblica e palavras concernentes ao ato, cantando louvores apropriados, procurando acatar as solicitações da família do falecido. (1 Ts. 4:13-14).

f) LANÇAMENTO DA PEDRA FUNDAMENTAL: Quando do inicio da construção de um Templo, deverá ser realizado um Culto de Ações de Graças com o lançamento da pedra fundamental. Nesse Culto será registrado e colocado num lugar estratégico, de fácil acesso para que possa ser visto futuramente, e serão expostos tais documentos como: fotos, nome dos membros do MIRC, do fundador e sua família, nome dos membros da Diretoria do MIRC, jornais do dia, Bíblia, Atas, relação dos Pastores que pastorearam a igreja. A fim de que a história seja conhecida e as pessoas sejam honradas. (Mt 10:41-42)

Boa Vista-RR, 05 de dezembro de 2019

 

GILVAN DO NASCIMENTO SILVA - Presidente do MIRC

ACIR PEDROSA DA SILVA  - Vice-presidente                                                                            

LEIRIAN CAMÊLO PEDROSA -  Secretária da Assembleia Geral Extraordinária

 

 

MINISTÉRIO INTERNACIONAL REINAR EM CRISTO

CNPJ: 41.061.097/0001-20

SEDE:  Rua Mestre Albano, 748 - Bairro Liberdade - Boa Vista / RR

 

PLANO DE SALVAÇÃO

PLANO DE SALVAÇÃO

 

PEDIDO DE ORAÇÃO

 

 

 Livro ou Ebook